Total de visualizações de página

domingo, 5 de janeiro de 2014

09/11

Eu estava usando os brincos que ele me deu de presente;
Não era um dia bom:
Em poucas garrafas de conversa nós já havíamos dito tudo o que era pra calar
e tudo que pude entender no final daquilo foi a certeza de  que nós
nunca nos entenderíamos novamente.
Mulheres demais, homens demais, bares demais, problemas e mentiras demais fora as brigas em excesso.
escanei seu corpo autodenominado de templo, que de sagrado,
 francamente, não tem nada
e fui medida do topo do meu fio de cabelo arrepiado
até o salto 15 que sustentava meus pés.
E nós estávamos nitidamente desconcertados, fazendo um bruto esforço para não reabrir as feridas do passado,
mais no fim das contas e de cada frase, não fizemos outra coisa,
que não fosse relembrar.
precisávamos relaxar, ficar no silêncio, com companhia menos perigosa.
Foi então que fechamos a conta, voltamos pro carro e paramos na rua que é guardiã dos segredos blindados, alguns frustrados, outrora hilários
E ficamos por lá, viajandinhos, olhando as estrelas,
eu falando asneiras e você rindo pra não chorar.
...Ao menos nos descontraímos.

Mari carazolli